advertising

Longe do ideal, mas distante do pior: por que o mercado ‘aprovou’ o IPCA de fevereiro, que veio acima do esperado?

ipca novembro inflação mercado em 5 minutos
Imagem: Freepik

Bom dia, pessoal. Com a divulgação dos principais indicadores econômicos da semana já concluída, o cenário para os próximos dias se apresenta menos agitado. Notavelmente, os relatórios de inflação, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, embora não tenham apresentado resultados muito positivos, afastaram-se dos piores temores de uma situação ainda mais desafiadora, mostrando sinais preliminares de que a pressão inflacionária pode estar começando a ceder. Essa percepção manteve inalteradas as expectativas para o curto prazo, trazendo uma dose de alívio aos mercados ao indicar que a escalada de preços no início deste ano pode ter sido um evento isolado.

advertising

Neste contexto, os mercados acionários da Ásia tiveram um desempenho modestamente positivo na quarta-feira, com destaque para o setor de tecnologia que ecoou a recuperação observada nas bolsas de Nova York, apesar de os avanços terem sido contidos. Na Europa, os mercados abriram em alta, refletindo sobre os últimos dados de produção industrial da Zona do Euro e do Reino Unido, além de aguardarem os números do índice de preços no atacado da Alemanha referentes a fevereiro, que, embora relevantes, têm um impacto menos direto nas tendências do mercado. No segmento das commodities, o minério de ferro continua a evidenciar vulnerabilidades, repercussão essa que ressoa sobre os ativos brasileiros no cenário global.

A ver…

· 00:53 — Nada mudou, segue o jogo

No mercado brasileiro, a reação ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro foi surpreendentemente otimista, apesar de o resultado ter superado as projeções. O índice subiu 0,83%, ultrapassando a expectativa mediana de 0,78%. A antecipação de um aumento devido a ajustes nas tarifas escolares e alterações no ICMS já havia sido discutida, então o resultado não causou espanto. A recepção favorável se deveu, em grande parte, a um desempenho melhor do que o esperado em certos segmentos, como serviços e itens básicos, que em janeiro levantaram preocupações mas agora apresentaram um comportamento mais ameno. A redução no índice de difusão, a desaceleração nos preços livres e a diminuição na média dos núcleos reforçam a perspectiva positiva. As expectativas anteriores se mantêm, prevendo-se ainda duas reduções de 50 pontos-base na Selic, com possibilidade de redução do ritmo para 25 pontos a partir de junho.

advertising

Enquanto isso, Petrobras e Vale, duas das principais ações do Ibovespa, enfrentam questionamentos sobre possíveis interferências políticas. A nomeação de Rafael Dubeux, secretário executivo adjunto da Fazenda, para o Conselho de Administração da Petrobras é vista como um reforço para Jean Paul Prates e sinaliza potencial para futuras distribuições de dividendos extraordinários, ainda que parciais, como Prates queria ter feito. Por outro lado, a Vale enfrenta turbulências após a renúncia de um membro independente do conselho, que denunciou manipulação no processo sucessório e apontou influências políticas adversas. Esses episódios não só afetam a percepção sobre essas companhias, devido aos desafios adicionais vindos da China e da indústria do minério de ferro, mas também levantam preocupações quanto à postura do governo em relação a outras empresas, como a Eletrobras, cujos resultados estão previstos para serem anunciados na noite de hoje.

· 01:47 — Sem mudança de rumo nos EUA também

No mesmo dia em que Joe Biden, atual presidente dos Estados Unidos, e Donald Trump, ex-presidente, garantiram delegados suficientes para serem nomeados candidatos presidenciais pelos seus partidos, reacendendo a expectativa de um duelo eleitoral reminiscente de 2020, os mercados financeiros nos EUA analisaram minuciosamente os mais recentes dados de inflação. Os números revelaram um aumento anual de 3,2% nos preços ao consumidor em fevereiro, levemente acima das previsões. Contudo, uma análise mais detalhada indicou que a inflação foi impulsionada por um leque mais estreito de itens, com os preços, excluindo moradia, crescendo menos que 2% e os bens duráveis registrando deflação pelo décimo quinto mês consecutivo.

Dessa forma, embora o núcleo da inflação, descontando elementos mais voláteis, tenha superado ligeiramente as expectativas, a análise mais granular revelou um cenário de inflação mais contido, especialmente quando se desconsidera os custos com habitação. A pressão inflacionária sobre os alimentos também mostrou sinais de arrefecimento. Essa situação ocorre em paralelo a indícios de uma desaceleração no mercado de trabalho, que precisam ser verificados nos dados futuros. O Federal Reserve, portanto, mantém uma postura de vigilância baseada em dados, projetando-se três reduções na taxa de juros para este ano, iniciando em junho, seguidas por cortes em setembro e dezembro. Esse cenário inalterado desde a nossa última análise sugere a possibilidade de novos avanços nos mercados.

· 02:39 — E o rali continua

Apesar do S&P 500 alcançar um novo patamar histórico em seu fechamento ontem, essa alta não refletiu a recuperação abrangente que o histórico sugere ser crucial para um mercado de alta mais saudável. Desta vez, a valorização foi impulsionada principalmente pelo desempenho excepcional das gigantes do setor tecnológico, especificamente as denominadas Magnificent 7 (ou 6, considerando a queda da Tesla). Nvidia viu suas ações saltarem 7,2%, Meta registrou uma alta de 3,3%, Microsoft avançou 2,7%, Amazon cresceu 2%, Alphabet se elevou em 0,6%, e Apple teve um ganho de 0,3%. Esse cenário resultou em um impulso de 2,1% para o segmento tecnológico do S&P 500 e uma alta de 0,9% no setor de serviços de comunicação.

Como disse, porém, esse padrão de crescimento não se estendeu de maneira uniforme pelo índice inteiro. Para ilustrar, o ETF Invesco S&P 500 Equal Weight, que distribui igualmente o peso de todas as ações dentro do índice, apresentou uma valorização de apenas 0,3%. A tendência de concentração em um seleto grupo de empresas tecnológicas deve persistir à medida que os investidores buscam posições em companhias potencialmente favorecidas pelo entusiasmo em torno da inteligência artificial. Essa recuperação acentuada suscita debates sobre a sua sustentabilidade a longo prazo. Já expus anteriormente minha visão de que não considero o mercado atual como uma bolha; e se de fato estivermos à beira de uma, possivelmente estaria apenas no seu início. Portanto, continuo a enxergar potencial para novas valorizações no mercado americano, especialmente no setor de tecnologia, tornando veículos como o fundo Empiricus Tech Select atrativos para investimentos futuros.

· 03:21 — A tecnologia também anima os investidores asiáticos

Os mercados de ações na Ásia tiveram um desempenho misto na quarta-feira. Na China, as preocupações com a contínua crise do setor imobiliário exerceram pressão sobre as ações, ao passo que em Tóquio, as perdas se aprofundaram devido à crescente expectativa de que o Banco do Japão (BoJ) possa em breve ajustar sua política monetária, afastando-se das taxas de juros negativas e do controle da curva de juros. Essa expectativa se intensifica à medida que se aproxima a próxima reunião do BoJ, com o mercado antecipando possíveis aumentos nas taxas de juros já nesta ou na reunião de final de abril. Apesar da atenção voltada para o Japão, o fervor pela inteligência artificial (IA) na Ásia se destaca significativamente.

Na Coreia do Sul, o índice apresentou um dos melhores desempenhos, impulsionado por um aumento de 0,7% nas ações da Samsung. Isso ocorreu após relatos de que a empresa está focada em expandir suas capacidades em IA, trabalhando no desenvolvimento de novos chips de memória de alta velocidade. Em Hong Kong, gigantes tecnológicos como Baidu, BYD e Semiconductor Manufacturing International Corp registraram aumentos de 2% a 4%, posicionando-se entre os maiores ganhadores do dia. Em Taiwan, a TSMC, a maior fabricante terceirizada de semicondutores do mundo e uma das principais fornecedoras da Nvidia, viu suas ações crescerem 1,3%. Esse otimismo tecnológico foi amplamente alimentado pelo entusiasmo em torno da IA, reforçado pelos resultados surpreendentemente positivos da Oracle nos EUA, um indicativo de que o interesse e os investimentos em tecnologia devem ganhar ainda mais força à medida que as taxas de juros americanas iniciarem um ciclo de queda.

· 04:15 — Revendo dívidas

As negociações entre os Estados Unidos e a China estão em andamento para desenvolver estratégias que mitiguem o risco de default em massa nos mercados emergentes, marcando um dos esforços de colaboração econômica mais substanciais entre as duas maiores economias mundiais nos últimos tempos. O diálogo foca em encontrar soluções preventivas para estender os prazos de empréstimos e evitar falências de pagamento, procurando assim aliviar a carga do serviço da dívida, que ultrapassa os US$ 400 bilhões anuais para países de menor renda. Entre as propostas está a expansão dos financiamentos oferecidos pelo Banco Mundial e outras instituições multilaterais.

A meta é implementar essas iniciativas preventivamente, antes que os países cheguem a uma situação de default, iniciando negociações de reestruturação com credores de maneira formal. Qualquer acordo que emergir das conversas sobre a gestão da dívida soberana global entre os EUA e a China necessitará do endosso do G20, assim como do apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, instituições que têm enfrentado desafios para solucionar a crise de dívida global desde a pandemia. Ademais, para que tais propostas sejam eficazes, será essencial obter a concordância dos credores privados. Pelo menos as conversas já começaram.

Uma colaboração entre os EUA e a China nesse aspecto representaria um progresso notável, visto que ambos detêm influências significativas na resolução de dívidas internacionais: os Estados Unidos, por meio do Departamento do Tesouro, exercem um papel dominante na estrutura financeira global, influenciando o FMI e o Banco Mundial, enquanto a China, como principal credor dos países em desenvolvimento, possui uma posição decisiva em muitas dessas negociações. Esse movimento rumo à cooperação entre as duas potências sinaliza uma via promissora para o enfrentamento conjunto de desafios econômicos globais.

· 05:06 — Ainda existe espaço para otimismo

Recentemente, o Banco Central do Brasil implementou restrições significativas à emissão de títulos isentos de imposto de renda, que serviam para fomentar setores como o imobiliário e o agronegócio, incluindo Letras de Crédito Imobiliário (LCIs), Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) e Letras Imobiliárias Garantidas (LIGs). Com essas medidas, estima-se que aproximadamente 30% de todos os CRIs e CRAs emitidos em 2023, somando cerca de R$ 30 bilhões, não se adequariam às novas diretrizes, impedindo a renovação desses papéis. Similarmente, entre 15% a 20% de todas as LCIs e LIGs do ano anterior, representando um valor entre R$ 70 bilhões a R$ 90 bilhões, também estariam em desacordo. No total, isso implica que de R$ 100 a R$ 120 bilhões em títulos isentos de imposto de renda não se encaixariam nas novas normas do Banco Central. E para onde vai o dinheiro?

Bem, essa mudança regulatória pode liberar…

O post Longe do ideal, mas distante do pior: por que o mercado ‘aprovou’ o IPCA de fevereiro, que veio acima do esperado? apareceu primeiro em Empiricus.

advertising