advertising

Esta história não vai acabar assim

história day one
Imagem: Freepik

Todo torcedor de futebol desapontado imagina como as coisas poderiam ter acontecido de forma diferente.

advertising

E se o Casemiro tivesse feito aquela falta no Modric, mesmo às custas de um cartão vermelho?

E se o Piquerez estivesse um pouco mais concentrado na batida do pênalti?

Por um lado, fato é que nunca saberemos.

Por outro, esses exercícios imaginativos tendem a ser bastante úteis para desvendar o futuro, pois revelam a absurda fragilidade das premissas passadas.

advertising

Isso tudo remete a uma discussão pesada em Filosofia da História (não confundir com História da Filosofia) sobre qual é o genuíno papel do historiador.

A vertente mais tradicionalista entende que os historiadores devem buscar o máximo de objetividade em seus relatos, de modo a não desvirtuar a preciosa trajetória dos acontecimentos.

Para esse grupo, o passado deve ser guardado a sete chaves em um museu. A realidade é soberana, e cabe a nós sermos observadores humildes e precisos do desenrolar dos fatos.

Há um outro grupo, entretanto, que defende uma visão mais crítica e plural da História, capaz de abarcar condicionantes que não se manifestaram, mas que carregavam probabilidades bem maiores que as de seus concorrentes.

Nesse novo contexto, a ideia é tentar tirar o máximo de insight dos exercícios contrafactuais.

Por exemplo: se Hitler tivesse nascido mulher, teríamos a 2ª Guerra Mundial?

Ou seja, o quanto tem a ver com Mein Kampf e o quanto tem a ver com a hiperinflação que tomou conta da República de Weimar?

É claro que não existe uma resposta definitiva para perguntas desse tipo. Exatamente por isso, o grau de provocação que elas proporcionam permite um enorme potencial de aprendizado.

Essas dúvidas contrafactuais podem ser suscitadas mesmo séculos após o período analisado, mas creio que são ainda mais interessantes quando flertam com a história contemporânea.

  • Dado que o mercado de trabalho americano segue praticamente ileso, sem sintomas diretos de transmissão monetária, resta-nos o dever de cogitar: se o Fed não tivesse elevado os juros, a inflação americana teria cedido? Isto é, será que a inflação não era mesmo transitória, fruto de choques na oferta global?
  • Se Donald Trump não fosse candidato favorito à eleição, a Bolsa americana estaria subindo tanto quanto sobe nos últimos meses? Será que é mesmo o caso das Sete Magníficas, ou seria Trump o Oitavo Magnífico de uma Wall Street majoritariamente republicana?
  • Se a Arezzo tivesse levado a Hering lá atrás, existiria espaço para a fusão com Soma hoje? O quanto as decisões corporativas são conduzidas por cálculos racionais de sinergias, e o quanto são motivadas pelo impulso freudiano de reconquistar aquilo que se perdeu?
  • Se Lula não tivesse sido preso, Júnior teria comprado a Amil por R$ 11 bilhões, concorrendo sozinho contra outras propostas talvez até maiores? 

The answers are blowin’ in the wind.

Confesso que eu não gostava muito de estudar História no colegial, muita decoreba a ser lembrada para passar no vestibular.

Mas agora eu gosto.

O post Esta história não vai acabar assim apareceu primeiro em Empiricus.

advertising